segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Limpador de Parabrisas



É o brasileiro se virando como pode!!!

até breve

Aparelho que rouba dados



Reparem neste Aparelhito. Vejam-no muito bem.

Se lhes calhar ir a um cibercafé ou usar o computador em hotéis. Vejam bem se encontram este aparelho.
Novo dispositivo ligado no final do cabo do teclado do PC. Este dispositivo guarda todas as suas passwords inseridas com as teclas quando utiliza o equipamento.


Pode ser usado em: cibercafés, exposições, hoteis e aeroportos, especialmente onde se utiliza Internet para entrar em contas bancárias.

Este dispositivo armazena tudo o que teclares.

Assim, examina o PC que utilizares em sítios ou lugares públicos, e procura qualquer peça suspeita instalada por detrás do mesmo antes de utilizá-lo.
SEM ALARIDOS, ANTES DE QUALQUER RECLAMAÇÃO, CHAMA DE IMEDIATO AS AUTORIDADES, pois a peça é facilmente removida.
até breve

IBGE já recenseou quase metade da população brasileira


Quase a metade da população brasileira já foi recenseada e o número de habitantes por domicílio diminuiu no espaço de dez anos. É o que revelou hoje o presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Eduardo Pereira Nunes, que apresentou o segundo balanço parcial do Censo 2010. De acordo com ele, em um mês de trabalho do instituto, foram recenseadas 92,7 milhões de pessoas, em uma população estimada em 2009 em torno de 192 milhões de habitantes, o que representa cerca de 48% do total.

O uso de tecnologia na coleta de dados ajudou a acelerar a apuração. Nunes lembrou que, no Censo anterior, referente ao ano 2000, os questionários eram de papel. Hoje, são eletrônicos. "A nossa estimativa era de que, até o momento, estaríamos caminhando para um terço do trabalho programado. Agora já estamos com mais de 40% do trabalho realizado", afirmou Nunes. Até o momento, em torno de 36,3 milhões de domicílios já foram visitados pelo instituto, dentro de um universo de 58 milhões em todo o País, estimado em 2009, o que representa 47% do total.

Segundo o IBGE, a média de pessoas por domicílio recuou, até o momento, de 3,79 moradores em 2000 para 3,37 este ano. "Ao longo da década, o IBGE já sinalizava este comportamento nas pesquisas estruturais. A PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) e a POF (Pesquisa de Orçamentos Familiares) já indicavam este recuo de número médio de pessoas por domicílio", afirmou. "Agora, olhando o conjunto de dados do Censo, observamos que ocorreu mesmo este movimento de queda no número de pessoas vivendo por domicílio."

Ele comentou que o número de domicílios também está aumentando no Brasil. "É importante lembrar que estamos estimando um universo de 58 milhões de domicílios e, em 2000, o número de domicílios era em torno de 44 milhões", disse. "A população também deve aumentar", acrescentou. Ele observou que, em 2000, o Censo apontou 169 milhões de habitantes. "Olhando a evolução da população brasileira na década, estimamos que a população vai chegar aos 192 milhões de habitantes."

Oito municípios no País, de um total de 5.565 municípios, já foram 100% recenseados, de acordo com Nunes. É o caso de Lajeado Grande, Arvoredo, Pinheiro Preto e Entre Rios, todos em Santa Catarina; Oliveira de Fátima, em Tocantins; Santo Antônio do Rio Abaixo, em Minas Gerais; arquipélago de Fernando de Noronha, distrito de Pernambuco; e Borá, em São Paulo.

Atraso
No caso de São Paulo, 42% da população já foi recenseada. Nunes comentou que o Estado foi um dos prejudicados pelo atraso na entrega dos coletes aos recenseadores, por parte de uma empresa contratada pelo instituto. O atraso no envio de coletes fez com que, em São Paulo, a atividade do Censo começasse com uma semana de atraso, em comparação com outras localidades do País. Santa Catarina e Rio Grande do Sul também passaram pelo mesmo tipo de atraso, de acordo com o IBGE.

Até o momento, o porcentual de domicílios fechados - casas em que os moradores não foram encontrados ou se recusaram a responder ao Censo - é de 10%. A partir de hoje, o instituto vai disponibilizar balanços parciais da coleta de dados em sua página na internet (www.ibge.gov.br) A coleta de dados pelo IBGE vai até o dia 31 de outubro. A divulgação final dos dados do Censo está prevista para o dia 27 de novembro.

Fonte: Estadão

até breve

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

TSE barra primeira candidatura de ficha suja


Brasília. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) barrou ontem, por 5 votos a 2, o registro de candidatura a deputado estadual pelo Ceará, Francisco das Chagas Rodrigues Alves (PSB), com base na Lei da Ficha Limpa. Esse é o primeiro caso de candidatura negada pelo TSE usando a lei como referência.

O candidato pode recorrer ainda ao Supremo Tribunal Federal (STF). Alves, conhecido como Nenem Itapipoca, foi condenado pelo TRE do Ceará por compra de votos nas eleições de 2004, quando concorreu ao cargo de vereador pelo município cearense de Itapipoca.

Retroatividade

A decisão do TSE mantém o entendimento de que a Lei da Ficha Limpa vale para decisões tomadas antes desta legislação entrar em vigor, no dia 7 de junho. A norma, que vale para as eleições deste ano, proíbe a candidatura de políticos condenados por colegiados.

O julgamento do primeiro recurso envolvendo candidato barrado pela ficha limpa foi adiado duas vezes. O primeiro pedido de vistas foi feito pelo presidente do Tribunal, ministro Ricardo Lewandowski, no dia 13 de agosto. Na semana passada, um novo pedido de vistas da ministra Carmem Lúcia adiou pela segunda vez a análise do caso.

Segundo a ministra, a aplicação da lei a condenações anteriores à norma é possível porque a inelegibilidade não é uma punição. "A inelegibilidade decorre de ilícito eleitoral. Não se está diante de uma punição. Não caracteriza pena, mas mera consequência de ato ilícito. Não sendo pena, não há qualquer vedação constitucional à aplicação da nova norma a decisões antes de sua vigência", disse Carmen Lúcia.

Fonte: Diário do Nordeste

até breve

Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 43 milhões


Próximo sorteio será realizado no sábado; 125 pessoas fizeram a Quina e levaram R$ 25 mil.

SÃO PAULO- Nenhum apostador acertou as seis dezenas do concurso 1208 da Mega-Sena, realizado nesta quarta-feira, 25, em Caçapava, no interior de São Paulo. O prêmio acumulado deve chegar a R$ 43 milhões no próximo sorteio, neste sábado.

Os números sorteados hoje foram 1-12-20-26-45-54. Ao todo 125 pessoas conseguiram fazer a Quina, com prêmio de aproximadamente R$ 25 mil. A quadra foi sorteada para 9.464 apostadores, que levaram R$ 458.

Fonte: Estadão

até breve

STF vai julgar a censura ao humor


RIO - Acuados pela censura imposta pela lei eleitoral no período de campanha política, os humoristas podem ter motivos para sorrir. Nesta terça-feira, a Associação Brasileira das Emissoras de Rádio e Televisão (Abert) protocolou no Supremo Tribunal Federal uma ação direta de inconstitucionalidade (Adin) contra as restrições impostas aos programas de humor.

Em vigor desde 1997, a atual lei eleitoral proíbe o uso de "trucagem, montagem ou outro recurso de áudio ou vídeo que, de qualquer forma, degradem ou ridicularizem candidato, partido ou coligação". O texto citado atinge em cheio as sátiras políticas e, na avaliação da Abert, viola a liberdade de expressão assegurada pela Constituição.

A ação proposta pela entidade inclui um pedido de medida cautelar que, se aceito pelo STF, resultará na suspensão imediata das proibições previstas em lei. O ministro Ayres Britto foi escolhido para relatar o processo.

- As normas da lei eleitoral impõem às emissoras de rádio e televisão restrições à liberdade de expressão e informação. E, por isso, violam garantias consagradas na Constituição brasileira - avalia Daniel Slaviero, presidente da Abert.

Adin critica 'efeito silenciador' sobre rádio e TV.

Além do inciso que limita as piadas com candidatos em campanha, a ação de inconstitucionalidade também contesta o trecho que impede a difusão de "opinião favorável ou contrária a candidato, partido, coligação, a seus órgãos ou representantes" em programas de TV ou rádio. Na petição de 26 páginas enviada ao STF, as normas citadas são criticadas por provocarem "um grave efeito silenciador sobre as emissoras de rádio e televisão obrigadas a evitar a divulgação de temas políticos polêmicos para não serem acusadas de difundir opinião favorável ou contrária".

O documento frisa que os dispositivos da lei atual "inviabilizam a veiculação de sátiras, charges e programas humorísticos envolvendo questões ou personagens políticos durante o período eleitoral".


No domingo, os humoristas protestaram numa passeata na Praia de Copacabana contra a censura na campanha política.

- A nossa passeata serviu para abrir os olhos das pessoas. Estou muito otimista. O ministro da Cultura (Juca Ferreira) me ligou para marcar uma reunião com os humoristas. Caso o STF não decida a nosso favor, vamos continuar tentando. De uma forma ou de outra, vamos mudar essa lei - diz Fábio Porchat, um dos organizadores da manifestação.

Para cumprir as exigências da lei, os programas fizeram algumas mudanças no roteiro nas últimas semanas. O Casseta & Planeta, da Rede Globo, eliminou as imitações de Dilma, Serra e Marina, presentes na programação antes do início da disputa eleitoral. No CQC, da Band, a orientação foi suavizar o tom das perguntas nas entrevistas com políticos. Já o Pânico na TV, da Rede TV, suspendeu temporariamente a cobertura política.

- Esse artigo da lei eleitoral afronta diretamente o princípio de liberdade de expressão previsto na Constituição. A Adin (ação direta de inconstitucionalidade) é um caminho para corrigir uma situação que não se compatibiliza com o estado democrático - afirmou Ophir Cavalcante, presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

A lei em vigor foi aprovada pelo Congresso em 1997. Para alterar o texto seria necessária uma aprovação na Câmara dos Deputados. Os responsáveis pela mudança seriam justamente aqueles que serão alvos das piadas caso os humoristas recebam carta branca na campanha política. Por isso, a ação no STF é vista como a forma mais eficaz de buscar um resultado ainda nesta eleição. O advogado Claudio de Souza Neto, professor de direito constitucional da Universidade Federal Fluminense (UFF), considera acertada a decisão de recorrer ao STF:

- Se a Adin for julgada procedente, aqueles dispositivos da lei vão deixar imediatamente de existir. O Supremo tem poder para impugnar a lei.

Na avaliação de Souza Neto, a tendência é haver uma decisão rápida pelo fato de a campanha política estar em andamento:

- Há boas razões para uma decisão cautelar. Se a Adin não for julgada logo, o prejuízo para o processo eleitoral será grande.

Fonte: O Globo

até breve

Municípios que recebem royalties de petróleo são menos eficientes na arrecadação de tributos


Segundo economistas, receita da exploração petrolífera desestimula a cobrança de impostos e fiscalização.

BRASÍLIA - Os municípios beneficiados pelos royalties do petróleo têm menor eficiência na arrecadação de tributos locais, como o IPTU e o ISS. Essa é a conclusão dos economistas Carlos Roberto Queiroz e Fernando Postali, em artigo publicado no Boletim de Informações da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). A análise deles é que a receita gerada pela exploração petrolífera reduz os incentivos para as prefeituras investirem em cobrança de impostos e fiscalização, especialmente do IPTU.

"A apropriação de rendas do petróleo pelos entes federativos representa uma indenização pelas atividades do petróleo e/ou uma preocupação com as gerações futuras, nos moldes descritos acima", lembram os economistas. "No entanto, uma questão pouco investigada e que merece preocupação refere-se ao impacto de tais receitas sobre os incentivos dos municípios em diversificar sua base de arrecadação tributária. Em outras palavras, os municípios beneficiários de elevados montantes de rendas do petróleo podem cair na tentação de reduzir o seu esforço fiscal", ponderam.

O trabalho mostra que entre as cidades mais beneficiados pelo atual sistema de distribuição de royalties (maior participação de royalties na receita total), as mais ineficientes em termos de arrecadação tributária são os municípios de São João da Barra (RJ), Carapebus (RJ), Porto do Mangue (RN), Campos dos Goytacazes (RJ) e Quissamã (RJ).

Em entrevista à Agência Estado, um dos autores do trabalho, o economista Carlos Roberto Queiroz, explicou que a perda de eficiência na arrecadação municipal se dá não somente por meio de alguma leniência pelos fiscos locais. Segundo ele, isso pode ocorrer também por meio de decisões de redução de alíquotas de tributos, falta de interesse de ampliar a base tributária de arrecadação de impostos locais ou até por meio de uma escolha consciente da população de prefeitos que se comprometam com redução de impostos, aproveitando-se da receita do petróleo.

A análise publicada no boletim da Fipe é mais um subsídio para as discussões sobre a partilha dos recursos gerados pela exploração do petróleo na camada pré-sal. Tramita no Congresso Nacional a chamada Emenda Ibsen, que altera o atual modelo de distribuição de royalties, beneficiando não só os municípios que têm correspondência geográfica com a área explorada, mas partilhando com todas cidades do País os recursos do petróleo obtido no pré-sal.

Embora não se posicionem sobre se são a favor ou contra a distribuição mais ampla dos royalties do petróleo, os economistas alertam que a implementação da Emenda Ibsen pode gerar um aumento na ineficiência arrecadatória dos municípios brasileiros que passarão a contar com um recurso extra proveniente do petróleo e isso deve ser levado em conta no debate.

"Os resultados sugerem que a dependência de recursos do petróleo pode gerar ineficiências no esforço tributário dos municípios beneficiados. Quanto maior a participação dos royalties nas receitas correntes das cidades, menor o interesse dos municípios em obter recursos tributários próprios, com destaque para o IPTU. Esta evidência sugere que as propostas visando ampliar o escopo de beneficiários devem ser conduzidas com cautela", dizem os economistas.

O economista Carlos Queiroz ressaltou à Agência Estado que o trabalho faz uma análise estritamente sob a ótica da eficiência arrecadatória. Por isso, lembra que outros aspectos também devem ser levados em conta no debate. "Esse artigo é um subsídio a mais para a discussão. Os royalties de fato geram uma ineficiência fiscal nos municípios mais beneficiados, mas as pessoas podem estar contentes, porque de repente estão pagando menos IPTU, menos ISS, e, ao pagar menos impostos, pode circular mais dinheiro na economia, no setor privado", ponderou.


Fonte: Estadão


até breve

STJ manda pagar perdas, mas exclui milhares de poupadores


Brasília – A 2ª Seção do Superior Tribunal de Justiça garantiu aos correntistas o pagamento da diferença da correção das cadernetas de poupança em função dos planos econômicos Bresser, Verão, Collor I e Collor II. Os bancos, no entanto, tiveram uma vitória porque o Tribunal também decidiu que as ações civis públicas, que reúnem o maior volume de recursos no caso, deveriam ter sido ajuizadas cinco anos depois de cada plano. As ações coletivas que foram ajuizadas depois desse prazo, pelo entendimento STJ, prescreveram.

A decisão acaba por derrubar aproximadamente 1.100 ações coletivas que beneficiariam aproximadamente 40 milhões de poupadores e que, em termos financeiros, poderiam provocar as maiores perdas para as instituições financeiros. O assunto ainda será discutido pelos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

A decisão do tribunal, em dois recursos repetitivos, deve ser seguida no julgamentos de outros milhares de processos semelhantes que tramitam na Justiça. Os ministros consolidaram o entendimento de que os bancos devem pagar aos correntistas a diferença entre os índices aplicados pelos bancos, logo que entraram em vigor os novos planos econômicos, e os percentuais que eram pagos anteriormente, com base na inflação. O STJ entendeu que os bancos deveriam ter aplicado aos saldos das cadernetas de poupança, no mês que os planos entraram em vigor, o porcentual equivalente à inflação e não o índice do plano econômico que acabava de ser baixado pelo governo.

Mas o tribunal confirmou a decisão de que as ações civis públicas que contestavam a correção aplicada pelos bancos deveriam ser ajuizadas cinco anos depois de cada plano. O tribunal tinha o entendimento de que esse prazo era de 20 anos, levando em conta o Código Civil. De acordo com o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor, a decisão provoca o arquivamento de mais de 1.100 ações coletivas, processos que beneficiariam aproximadamente 40 milhões de poupadores vivos. Para as ações individuais, o tribunal julgou que os correntistas tinham prazo de 20 anos para entrar na justiça com seus processos. Apesar desse julgamento, o STF ainda terá a última palavra sobre esse assunto.

O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) vai recorrer da decisão do STJ. O foco do recurso, segundo a advogada do Idec, Maria Elisa Novais, será a redução do prazo para ajuizar ações civis públicas de 20 para cinco anos. “O recurso que reduziu o prazo de 20 para cinco anos foi julgado em abril deste ano. Ele não pode ser implementado para essas ações”, argumenta. (AE)

Valores

Dados do Banco Central apontam que uma derrota dos bancos no Supremo pode provocar perdas de R$ 105,9 bilhões aos bancos, em valores mensurados em setembro de 2008. Aproximadamente um terço deste valor seria devido apenas pela Caixa Econômica Federal. Também conforme informações do Banco Central, as instituições financeiras já pagaram ou provisionaram, em maio deste ano, R$ 10,96 bilhões para arcar com as despesas geradas pelos processos judiciais. Esse valor descarta as perdas que podem ser geradas pelas ações coletivas.

Fonte: Gazeta do Sul

até breve

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Usuários poderão fazer ligações para telefones pelo Gmail

Ferramenta fará concorrência direta com serviço de telefone on-line Skype.

Gmail já permitia conversas de voz e videochat.

O Google anunciou nesta quarta-feira (25) que usuários de seu serviço de e-mail, Gmail, poderão ligar para telefones normais diretamente do site, em concorrência direta com o serviço de telefone on-line Skype e operadoras de telecomunicações.

Embora o Google já permitisse conversas de voz e videochat por meio do Gmail, a empresa afirmou que, a partir desta quarta-feira (25), também irá oferecer, pela primeira vez, ligações para telefones comuns, tanto fixos quanto celulares.

Tarifas baixas
O Google promete ligações gratuitas para telefones nos Estados Unidos e no Canadá até o final do ano, e diz que irá cobrar tarifas baixas por ligações para outros países. A companhia de Internet afirmou que o preço de ligações para Reino Unido, França, Alemanha, China e Japão, por exemplo, seria de US$0,02 por minuto.

A ferramenta funcionará da mesma forma que um telefone normal. Para fazer uma ligação, o usuário deve clicar na opção "Ligar para Telefone" em sua lista de amigos de bate-papo ou digitar o número ou o nome do amigo com quem quer falar.

O Skype, controlado pelo site de leilões eBay, já oferece os serviços de ligação para telefones, conversas de voz e vídeo chat há tempos. A empresa afirmou, no começo de agosto, que busca levantar US$100 milhões em uma oferta pública de ações.

Fonte: G1

até breve

Professor é advertido após pedir para alunos planejarem ataque terrorista



Incidente ocorreu em um colégio na Austrália.


'Não há dúvida de que foi um método inapropriado', disse ministério.

Um professor australiano recebeu uma advertência por ter pedido aos alunos que planejassem um ataque extremista destinado a causar o maior número de vítimas possível.

Os estudantes de uma série do colégio da Comunidade Kalgoorlie-Boulder, na Austrália Ocidental, receberam instruções de conspirar contra "uma comunidade australiana desprevenida, com a finalidade de matar a maior quantidade possível de civis inocentes para divulgar sua mensagem".

Os alunos, com idades entre 15 e 17 anos, tinham que explicar a escolha da vítima, a localização geográfica, o horário e o armamento, assim como descrever os efeitos que seu método teria sobre o corpo humano.

A tarefa, que pretendia testar a capacidade dos alunos em aplicar o que haviam aprendido sobre terrorismo em uma sociedade e um meio ambiente à vida real, foi rapidamente cancelada depois da reação irritada dos pais.

"Não há dúvida de que foi um método inapropriado para estudar as consequências e um conflito e que, potencialmente, poderia ofender e perturbar os pais e estudantes impressionáveis", afirma um comunicado do ministério da Educação do estado da Austrália Ocidental.

O diretor do colégio, Terry Martino, afirmou que o professor tinha "relativamente pouca experiência" e que "foi uma tentativa bem intencionada, mas equivocada, para tentar captar a atenção dos estudantes".

Fonte: G1

até breve

SUS vai incluir novos procedimentos para tratamentos de câncer de fígado e mama em setembro


Tratamentos contra linfoma e leucemia aguda também serão ampliados.

O Ministério da Saúde anunciou nesta quarta-feira (25) que o SUS (Sistema Único de Saúde) vai incluir nove novos procedimentos para o tratamento do câncer de fígado, mama, linfoma (câncer no sistema linfático) e leucemia aguda (câncer no sangue) no atendimento da rede pública a partir de setembro.

A portaria assinada pelo ministério vai liberar R$ 412 milhões a mais por ano para colocar isso em prática.

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, afirmou que essa reestruturação prevê a ampliação da cobertura e acesso, unificação de procedimentos, reforço na radioterapia e viabilização dos esquemas quimioterápicos.

- [Essa portaria] permite remunerar melhor os procedimentos e também permite que novas técnicas, novas tecnologias sejam colocadas à disposição do paciente permitindo a incorporação de novas drogas.

...A reestruturação dos tratamentos também prevê a redução do valor de 24 procedimentos de quimioterapia. O reajuste se deu em razão da redução do preço desses medicamentos no mercado brasileiro, segundo o ministério.

O pacote de medidas prevê o aumento do valor pago a 66 procedimentos – sendo 20 radioterápicos e 46 quimioterápicos - já realizados na rede pública, que hoje atende mais de 300 mil pacientes com câncer.

- Isso nos dá tranqüilidade do ponto de vista de a gente consolidar uma rede que envolve mais de 270 hospitais no Brasil que tratam pacientes com câncer.

Os novos recursos correspondem a 25% de tudo o que foi investido em tratamentos contra o câncer em 2009, que foi R$ 1,6 bilhão. O câncer é a segunda doença que mais mata no país, atrás apenas das doenças cardiovasculares.

A portaria cria ainda três novos procedimentos para o tratamento local do câncer de fígado e reajusta o valor pago pela biopsia de medula óssea, que passou de R$ 46,28 para R$ 200.

Quimioterapia

Cinco novos procedimentos de quimioterapia serão cobertos pelo SUS, sendo um para o tratamento do câncer de fígado, dois para o câncer de estômago, um para o timo e outro para o linfoma. Será ampliada a indicação de procedimentos para o câncer de endométrio e hipercalcemia maligna.

Serão investidos a mais na quimioterapia R$ 247 milhões por ano, totalizando um aporte de R$ 1,5 bilhão. Segundo o ministério, a reestruturação dos tratamentos oncológicos também prevê a redução do valor de 24 procedimentos quimioterápicos já cobertos pelo SUS, reajuste possível devido à redução do preço desses medicamentos no mercado brasileiro.

Na radioterapia, o ministério prevê que serão injetados mais R$ 154 milhões por ano na recomposição de 20 dos 30 procedimentos existentes, o que se dará por meio da maior oferta dos serviços e do acesso assistencial dos pacientes.

Fonte: R7

até breve

Planos de saúde: só 23 têm nota máxima


Ao avaliar as 989 operadoras de planos de saúde médico-hospitalares do País, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) atribuiu nota máxima a apenas 23 empresas. Elas atendem a 6,7 milhões de usuários, 16% do total.

O índice de qualidade criado pela ANS varia entre zero e 1, e é dividido em cinco faixas – a mais alta fica entre 0,8 e 1,0. A agência reguladora federal avalia quatro critérios: a atenção dada à saúde, a situação econômico-financeira da operadora, a estrutura de atendimento e a satisfação dos clientes.

“Os critérios analisados pela ANS nada mais são do que uma avaliação de conformidade com as normas estipuladas pela própria agência”, ressalta Juliana Ferreira, advogada do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) especializada em saúde suplementar.

Por isso, segundo ela, era razoável esperar que a maioria das empresas apresentasse a nota máxima – elas estariam apenas cumprindo suas obrigações.

“Ao analisar a avaliação que a ANS fez das operadoras podemos concluir que a situação das operadoras de saúde é muito preocupante”, destaca Juliana. “Agora, devemos esperar que a ANS use esses resultados para fiscalizar e punir as empresas que apresentaram notas mais baixas.”

Entre as 23 empresas com notas acima de 0,8, a maioria é formada por associações de classe ou cooperativas. Das grandes seguradoras ou companhias de medicina de grupo, só a Amil e a Bradesco Saúde obtiveram nota máxima.

A situação, entretanto, é menos grave do que a registrada pelo órgão regulador em 2009, quando apenas oito empresas receberam a cotação mais alta. A ANS não se pronunciou sobre os resultados.

Nos planos de saúde exclusivamente odontológicos, o retrato é mais animador. Das 354 operadoras, apenas 29 apresentam notas entre 0,8 e 1. A boa notícia é que elas atendem a 4,3 milhões de usuários, mais de 50% do total.

Para verificar qual foi a avaliação recebida pela sua operadora e identificar os problemas que ela apresenta, basta que o consumidor visite o site da ANS www.ans.gov.br) e digite o nome da empresa. A página eletrônica informa não apenas a nota, mas o desempenho da operadora segundo cada critério analisado pela ANS.

Convém que o cliente tenha cuidado, em especial, com aquelas empresas que revelarem problemas de ordem econômica – são essas que correm mais riscos de quebrar. “A avaliação feita pela ANS é um ótimo instrumento para que o consumidor se informe sobre as condições de sua operadora”, indica Juliana.

Para ela, os usuários que são clientes das redes mal avaliadas devem questionar as empresas sobre o resultado, pedindo explicações. “Essa é uma forma que o consumidor tem de protestar e pressioná-las a melhorar.” Caso seja de seu interesse, os consumidores também podem migrar para outra operadora, por meio da portabilidade.

Fonte: Jornal da Tarde

até breve

Google anuncia mudanças no Orkut


O Orkut passará por algumas mudanças até o fim desta semana. A informação foi dada pela Google, empresa responsável pela rede social, nesta terça-feira (24). De acordo com informações, o objetivo é modernizar a rede de relacionamentos, melhorando a comunicação e gerando mais privacidade.

Segundo a Google, o Orkut deixará de ser uma rede genérica para ser uma rede focada em círculos sociais, ou seja, os usuários poderão dividir os “amigos” em grupos como trabalho, família, etc. Dessa forma, fotos e outros conteúdos poderão ser compartilhados apenas com os grupos desejados. Os grupos serão pessoais e visíveis apenas para os usuários.

Além desta mudança, a Google informou que as mensagens enviadas serão privadas e poderão ser enviadas para mais de uma pessoa. De acordo com a empresa, as definições de privacidade serão feitas no momento de compartilhar os conteúdos.

Segundo a Google, as mudanças ficarão disponíveis para todos, mas serão opcionais. Se o usuário quiser continuar usando o Orkut da forma antiga, enviando mensagens para apenas uma pessoas por vez e compartilhando os conteúdos de seu perfil com todos, ele poderá.

Fonte: DEFATO ONLINE

até breve

Vitamina D pode proteger contra câncer, diabetes e artrite


Estudo britânico ligou deficiência da substância a doenças ligadas a condições genéticas.

A vitamina D pode proteger o corpo humano contra uma série de doenças ligadas a condições genéticas, incluindo câncer, diabetes, artrite e esclerose múltipla, segundo uma pesquisa britânica recém-publicada.

Os cientistas mapearam os pontos de interação entre a vitamina D e o DNA e identificaram mais de 200 genes influenciados pela substância.

A vitamina D é produzida naturalmente pelo corpo pela exposição ao sol, mas a substância está presente também em peixes e crustáceos e, em menor quantidade, em ovos e leite.

Mas acredita-se que até um bilhão de pessoas em todo o mundo sofram de deficiência de vitamina D pela pouca exposição ao sol.

Já se sabia que a falta de vitamina D podia levar ao raquitismo e havia várias sugestões de ligações com doenças, mas a nova pesquisa, publicada pela revista especializada Genome Research, é a primeira que traz evidências diretas de que a substância controla uma rede de genes ligados com doenças.

Receptores
Os pesquisadores, da Universidade de Oxford, usaram uma nova tecnologia para o sequenciamento do DNA para criar um mapa de receptores de vitamina D ao longo do genoma humano.

O receptor de vitamina D é uma proteína ativada pela substância, que se liga ao DNA e assim determina quais proteínas são produzidas pelo corpo a partir do código genético.

Os pesquisadores identificaram 2.776 pontos de ligação com receptores de vitamina D ao longo do genoma, concentrados principalmente perto de alguns genes ligados a condições como esclerose múltipla, doença de Crohn, lupus, artrite reumatoide e alguns tipos de câncer como leucemia linfática crônica e câncer colo-retal.

Eles também mostraram que a vitamina D tinha um efeito significativo sobre a atividade de 229 genes incluindo o IRF8, associado com a esclerose múltipla, e o PTPN2, ligado à doença de Crohn e ao diabetes do tipo 1.

"Nossa pesquisa mostra de forma dramática a ampla influência que a vitamina D exerce sobre nossa saúde", afirma um dos coordenadores da pesquisa, Andreas Heger.

Seleção
Os autores afirmam que o consumo de suplementos de vitamina D durante a gravidez e nos primeiros anos de vida podem ter um efeito benéfico sobre a saúde da criança em sua vida no futuro.

Outras pesquisas anteriores já haviam indicado que a pele e os cabelos mais claros entre as populações de partes da Terra com menos incidência de raios solares teriam sido uma consequência da evolução para melhorar a produção de vitamina D.

Segundo os pesquisadores da Universidade de Oxford, isso poderia explicar a razão de seu estudo ter identificado um número significativo de receptores de vitamina D em regiões do genoma com mutações genéticas mais comumente encontradas em pessoas de ascendência europeia ou asiática.

A deficiência de vitamina D em mulheres grávidas pode provocar contrações pélvicas, aumentando o risco de morte da mãe e do feto. Segundo os pesquisadores, essa situação pode ter levado ao fim de linhagens maternais de pessoas incapazes de aumentar sua disponibilidade de vitamina D.

"A situação em relação à vitamina D é potencialmente uma das pressões seletivas mais poderosas no genoma em tempos recentes", afirma outro coordenador da pesquisa, George Ebers. "Nosso estudo parece apoiar essa interpretação e pode ser que não tivemos tempo suficiente para fazer todas as adaptações de que precisávamos para suportar nossas circunstâncias", disse.

Fonte: G1

até breve

Confiança do consumidor bate recorde em agosto


O renovado interesse por bens duráveis, como automóveis e eletrodomésticos, puxou para cima o Índice de Confiança do Consumidor (ICC): 0,7% de julho para agosto. Pela primeira vez, a taxa ultrapassou os níveis do cenário pré-crise, segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV).

PUBLICIDADE

Embora o aumento tenha sido menor que o de julho, quando avançou 1,1%, o indicador atingiu 120,8 pontos este mês, o maior resultado da série iniciada em 2005. O recorde anterior era de março de 2008 (120,1 pontos). O índice de confiança, que chega a 200 pontos, abrange amostra de mais de 2 mil domicílios, em sete capitais. Os consumidores foram entrevistados entre 30 de julho e 19 de agosto.

"A confiança do consumidor em agosto está forte, em patamar equivalente ao que se mostrava no cenário pré-crise", resumiu a coordenadora técnica da Sondagem das Expectativas do Consumidor, Viviane Seda Bittencourt. O índice é calculado com base em respostas apuradas pela sondagem da FGV. Segundo Viviane, o aumento de 0,7% em agosto foi menos intenso do que o anterior porque o índice já estava muito elevado em julho.

Entre as respostas que puxaram para cima o resultado, está a avaliação positiva das finanças pessoais das famílias. A fatia dos entrevistados que considera boa sua situação financeira aumentou de 24,1% para 25,8% de julho para agosto. "Isso está sendo influenciado pela boa situação econômica nos últimos meses", disse Viviane. A técnica lembrou que o mercado de trabalho continua com sinais positivos, o que eleva o potencial de renda do trabalhador e, por consequência, seu interesse por comprar mais.

Zona de endividamento. A análise favorável das finanças pessoais ajudou a aumentar a intenção de compras de bens duráveis, resposta que mais contribuiu para a taxa positiva do índice no mês. A participação dos consumidores pesquisados que projetam comprar mais desse tipo de produto nos próximos seis meses subiu de 14% para 16,6% de julho para agosto. Já a dos que preveem volume de compras menor caiu de 27,9% para 27,1%.


"Tivemos, em agosto, as melhores respostas para intenção futura de compra de bens duráveis desde maio de 2008", afirmou Viviane. "O consumidor está saindo de uma zona de endividamento e pensando em comprar mais no futuro, aproveitando o acesso ao crédito favorável", avaliou.

Nem todas respostas, porém, foram positivas em agosto. Entre as faixas de renda pesquisadas, o consumidor de baixa renda foi o único a apresentar queda no ICC, de agosto ante julho, com taxa negativa de 0,2% nas famílias com renda mensal até R$ 2.100. "Esse tipo de consumidor se comprometeu muito com pagamentos de longo prazo na época de reduções do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados)", disse Viviane. "Mas esse ciclo de endividamento das famílias de baixa renda está perto de acabar, e elas sentem que podem recomeçar a comprar em breve." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: Yahoo!

até breve

INSS começa a pagar hoje a 1ª parcela do 13º dos aposentados


Primeira parcela do abono corresponde a 50% do valor bruto do 13º.

Recursos vão injetar R$ 9 bilhões na economia, diz ministério.

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) começa a pagar nesta quarta-feira (25) a primeira parcela do 13º salário para cerca de 23,6 mil beneficiários. Nesta quarta, segundo o Ministério da Previdência, recebem os que ganham até um salário mínimo e têm cartão com final 1. O cronograma de pagamento prossegue até 8 de setembro.

A primeira parcela do abono corresponde a 50% do valor bruto do 13º. O imposto de renda sobre o abono será descontado na segunda parcela, paga em dezembro. Para quem passou a receber o benefício depois de janeiro, o valor será calculado proporcionalmente. Os segurados que estão em auxílio-doença também recebem uma parcela menor que os 50%.

Por lei, não têm direito ao 13º salário o amparo previdenciário do trabalhador rural, renda mensal vitalícia, amparo assistencial ao idoso e ao deficiente, auxílio-suplementar por acidente de trabalho, pensão mensal vitalícia, abono de permanência em serviço, vantagem do servidor aposentado pela autarquia empregadora e salário-família.

De acordo com o ministério, o pagamento do abono vai injetar R$ 9,013 bilhões na economia nos meses de agosto e setembro, além dos cerca de R$ 20 bilhões do benefício mensal.

Fonte: G1

até breve

ENEM IX - 'Segurança era bem fraca', diz um dos acusados de vazamento do Enem

(Imagem de câmera de segurança feita durante a impressão do Enem na gráfica Plural em 2009.)


Jovem falou pela primeira vez sobre dia em que saiu de gráfica com prova.

Próxima audiência do caso na Justiça está marcada para 2 de setembro.

Onze meses após o vazamento do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que causou o cancelamento da prova às vésperas da realização, prejudicou cerca de quatro milhões de inscritos e tumultuou todo o calendário de vestibulares do final de 2009 e início de 2010, um dos cinco acusados de participar do crime concedeu uma entrevista exclusiva ao G1.

Marcelo Sena Freitas, hoje com 21 anos, é um dos acusados de retirar uma cópia da prova do Enem de dentro da gráfica Plural, na Grande São Paulo, em setembro de 2009. O jovem contou que a segurança no local era fraca. “A segurança era bem fraca. Em relação a tudo. Entrava e saía. Ninguém revistava. Nada.” Segundo Freitas, havia seguranças, "mas não revistavam as pessoas. Nada. A única segurança que tinha mesmo eram as câmeras".

Freitas, que só aceitou ser entrevistado na presença do advogado, Marco Aurélio Toscano da Silva, e pediu para não ser fotografado, se declara inocente das acusações, apesar de admitir que saiu da gráfica com uma prova.

Para começar a trabalhar, no início de setembro de 2009, duas semanas antes do furto, Freitas disse que passou por uma entrevista rápida em um dia e começou no outro. Recebia R$ 60 por dia de trabalho. Sua função era separar provas pelas cidades e colocar o material em caixas.

Freitas trabalhava para o consórcio Connasel, formado pelas empresas Consultec, Funrio e Instituto Cetro, que foi contratado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) para imprimir, distribuir e aplicar o Enem.

Em seu site, a gráfica Plural afirmou em nota divulgada em 11 de agosto que cabia ao consórcio Connasel a segurança da impressão das provas. Disse ainda que os acusados do vazamento eram contratados da empresa Cetro. O G1 não conseguiu contato com representantes da Cetro e da Plural na tarde desta terça-feira (24).

O Enem foi cancelado na madrugada do dia 1º de outubro de 2009 pelo Ministério da Educação, após a divulgação de que a prova havia sido furtada de uma gráfica em São Paulo e oferecida a uma repórter do jornal "O Estado de S. Paulo." O exame seria aplicado nos dias 3 e 4 de outubro.

O caso do vazamento voltou à tona na última semana, após a primeira audiência na Justiça Federal Criminal, na quarta-feira (18), que julga os cinco réus acusados de violação de sigilo funcional e corrupção passiva. A próxima audiência está prevista para ocorrer em 2 de setembro.

'Não foi ideia minha'

O rapaz, que hoje trabalha como vendedor, contou sua versão do caso. “Não foi ideia minha. Tava trabalhando e a gente sempre deixava as coisas como se fosse em um estoque. Deixei a minha blusa lá e voltei a trabalhar, quando voltei lá, para levar a minha blusa até o carro, não tinha mais por que deixar lá, a prova estava no meio da minha blusa e não tinha mais o que eu fazer. Eu levei ela. Ele pegou lá fora (Felipe Pradella) e eu não vi mais a prova”, disse.

Questionado se não pensou em devolver a prova, Freitas afirmou que teve medo de ser acusado de furto por outros funcionários. “Se eu tentasse devolver, fazer qualquer coisa, mostrando que eu estava com a prova fora dos pacotes, na hora ia acontecer alguma coisa em relação à minha pessoa lá dentro. Na hora iam falar que furtei. A única coisa que eu quis fazer foi tirar ela de perto de mim, porque foi a melhor coisa que me veio na cabeça.”

A volta para casa ocorreu como normalmente acontecia após as doze horas de trabalho, das oito da noite às oito da manhã. Freitas pegou carona com um amigo, que levava também Filipe Ribeiro Barbosa, que também é acusado de retirar uma prova da gráfica, outro rapaz e Felipe Pradella. Todos eram vizinhos em Osasco.

“O Felipe Pradella, o dono do carro não conhecia, conheceu na hora, tudo. Viu que ele conhecia a gente, que era uma pessoa legal, que mostrou ser no momento, e acabou oferecendo a carona”, disse Freitas.

Apesar de dizer que não sabia quais eram as intenções de Pradella, Freitas disse que sabia que outra prova tinha sido retirada da gráfica no dia anterior ao dia em que saiu com a prova. O rapaz preferiu não citar qualquer outro nome, além do de Pradella. O acusado pela retirada da outra prova é o amigo dele, Filipe Ribeiro Barbosa, com quem mantém contato até hoje.

A segurança era bem fraca. Em relação a tudo. Entrava e saía. Ninguém revistava"Marcelo Sena FreitasNaquela noite, Freitas disse que não pensou no que poderia acontecer após a retirada da prova da gráfica. Dias depois, um amigo veio pegá-lo em casa com o jornal que trazia reportagem sobre a tentativa de venda da prova.

"Fiquei sabendo por um amigo meu, que me ligou de manhã cedo, foi até a minha casa. Falou para eu entrar no carro. Eu tava de pijama ainda, na rua. Falei não vou entrar. Ele falou 'é sério'. Entrei. Ele jogou o jornal. Vi a foto do Felipe Pradella. Aí, fomos até a casa do outro amigo que também estava trabalhando, mostramos a foto para ele também. Aí, a gente começou a ficar na cabeça que ia acontecer alguma coisa, que iam vir atrás da gente, porque com certeza ele ia colocar o nosso nome. Ele ia querer ferrar as pessoas", afirmou Freitas.

O jovem afirmou que não conhece os outros dois acusados no caso, Gregory Camillo Oliveira Craid, acusado de tentar vender a prova junto com Pradella, e Luciano Rodrigues, acusado de intermediar o contato com o jornal.

Procurada, a advogada de Felipe Pradella, Claudete Pinheiro da Silva, afirmou que prefere manter sigilo sobre o caso. O mesmo ocorre com o advogado de Craid, Ralfi Rafael da Silva. O advogado de Luciano Rodrigues não foi encontrado pela reportagem. O defensor público da União, Guilherme Andrade, que defende Filipe Ribeiro Barbosa, não respondeu o e-mail do G1 nesta terça-feira. Na última semana, Andrade disse por e-mail que preferia não se manifestar sobre a tese da defesa.

Caso sejam condenados, os acusados podem pegar pena de dois a seis anos de prisão por violação de sigilo funcional e de dois a doze anos de prisão por corrupção passiva. As datas previstas para as próximas audiências do caso são 2, 22 e 23 de setembro.

Enem 2010
Neste ano, o Enem está marcado para ocorrer em 6 e 7 de novembro. Na quinta-feira (19), a Justiça Federal concedeu liminar que permite à gráfica Plural, vencedora do pregão para imprimir provas deste ano, a continuar na licitação do Inep. O instituto afirmou que a licitação seguiria o seu curso, com a avaliação in loco do quesito segurança. Um total de 4,6 milhões de estudantes fizeram inscrição no Enem neste ano.

Fonte: G1

até breve

terça-feira, 24 de agosto de 2010

SUS amplia público alvo de vacinação contra hepatite B


O Ministério da Saúde aumentou o número de grupos prioritários para a vacinação gratuita contra a hepatite B. Gestantes após o terceiro mês de gravidez, manicures, pedicures, podólogos, mulheres que fazem sexo com mulheres, travestis, portadores de doenças sexualmente transmissíveis e do sangue e populações de assentamentos e acampamentos são os novos beneficiados pela cobertura do imunizante via Sistema Único de Saúde (SUS).

"Estamos aumentando gradativamente a população atendida e a ideia é tornar a vacinação universal", afirmou Ricardo Gadelha, coordenador de hepatites virais do Ministério da Saúde.

O total de unidades públicas onde a vacina será aplicado também aumentou. A vacina, que antes era restritá, poderá ser tomada agora em qualquer posto de saúde - são 60 mil novos locais. Para dar conta da nova demanda, foram compradas mais 18 milhões de doses da vacina do Instituto Butantã, além das 15 milhões que eram usadas todos os anos.

A hepatite B é uma doença que pode levar a lesões e câncer de fígado. Transmitida pelo sangue, esperma e secreção vaginal, atinge quem faz sexo sem camisinha ou compartilha objetos contaminados por sangue, como lâminas de barbear e alicates de unha. A doença também pode ser transmitida da mãe para o bebê e é o único tipo de hepatite para o qual existe vacina específica - mas a imunização também protege contra o vírus da hepatite D, que parasita o B.

Existem ainda as hepatites causadas pelos vírus A (transmitido por água e alimentos contaminados), C (pelo sangue, como a B, mas raramente por via sexual) e E (por alimentos e água contaminados), que não têm vacina e também geram danos ao fígado.

Fonte: Época

até breve

Após ganhar ação contra empregador, terceirizado entra com outra contra o tomador de serviço


O Banco do Brasil foi inocentado da acusação de responsável subsidiário pelos créditos trabalhistas pedidos por um empregado terceirizado em uma ação anterior da qual o banco não foi parte no processo. Decisão em contrário ofenderia o direito de defesa da instituição, afirmou a Seção I Especializada em Dissídios Individuais do Tribunal Superior do Trabalho, ao rejeitar o recurso do empregado que havia prestado serviços em uma agência no Paraná.

O empregado entrou com duas reclamações. A primeira foi contra seu real empregador – a empresa Ambiental Vigilância Ltda. –, quando conquistou o direito de receber as verbas pedidas. Quando a sentença, transitado em julgado, estava na fase de apuração do valor, ele entrou com a outra ação, na qual pediu a responsabilidade subsidiária do banco. Ao final do julgamento nas instâncias ordinárias, o Tribunal Regional da 9ª Região confirmou a inocência do banco, sentenciada pelo juiz, e extinguiu o processo sem resolução do mérito, por falta de interesse processual.

Com o recurso rejeitado na Quinta Turma do TST, o empregado embargou a decisão, sustentando que se tratava de nova reclamação, e não de coisa julgada. O recurso foi analisado na SDI-1 pela ministra Maria Cristina Peduzzi, que manteve a sentença turmária inocentando a instituição, ao entendimento de que a condenação, por meio do pedido de uma ação autônoma, atentaria contra o seu direito de defesa e à coisa julgada, que somente pode ser modificada mediante ação rescisória.

A relatora fez questão de ressaltar que votava assim em atenção ao entendimento majoritário da SDI, mas que pessoalmente interpretava o caso de outra maneira. Para ela, “inexistindo pedido de responsabilidade subsidiária na primeira ação, não viola a coisa julgada sua articulação em ação posterior, porque dela não haveria possibilidade de resultar comando judicial contraditório”. O empregado entrou com embargos declaratórios, mas também não obteve êxito. (E-RR-249-2006-011-09-00.3)

Fonte: Associação dos Procuradores do Município de Belo Horizonte


até breve

STJ decide futuro de poupadores


Ministros avaliam recursos dos bancos contra ações por perdas nos planos econômicos. Decisão vai orientar processos.

Rio - Poupadores prejudicados pelos planos econômicos Bresser, Verão, Collor 1 e Collor 2 terão seu destino selado amanhã. Ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ) julgam recursos de bancos contra pessoas que tinham poupança no período das medidas e ganharam em primeira instância o direito à correção. A decisão servirá de precedente para as milhares de ações que tramitam nos tribunais e envolvem milhões de pessoas.

Os dois recursos especiais relatados pelo ministro Sidnei Beneti, da Segunda Seção, não são os únicos que bateram às portas do STJ. No entanto, a decisão dos ministros passará a valer como entendimento do tribunal sobre o tema. Os casos foram encarados como de recursos repetitivos.

BANCOS: CONTA É DO GOVERNO

Para o presidente da Anacont, José Roberto de Oliveira, as correções já deveriam ter sido pagas por conta de decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). “Por conta dessa infinidade de recursos que existe no Brasil, o consumidor não vê seus direitos validados”, diz.

O diretor jurídico da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Antônio Carlos Negrão, alega que as instituições financeiras não deveriam arcar com a diferença, já que as medidas foram tomadas pelos governos. Segundo ele, os bancos teriam prejuízo, já que a caderneta é financiada pelos juros do sistema imobiliário: “Não caberia aos bancos responder por essa diferença, porque não deram causa aos planos, apenas cumpriram as medidas”, argumenta Negrão.

Por outro lado, o industriário Heraldo Pereira dos Santos, 53 anos, viu as prestações de seu imóvel tornarem-se impagáveis: “Tive que entrar na Justiça e fazer acordo”.

Setor bancário é o que mais lucra, segundo pesquisa

Estudo feito pela consultoria Economática mostra que o setor financeiro foi o mais lucrativo do País no segundo trimestre deste ano. O levantamento levou em conta o lucro de 25 instituições financeiras, que somou R$ 10,1 bilhões. O número apresenta aumento de 18,3% em relação aos R$ 8,5 bilhões registrados no mesmo período ano passado.

A Economática atribui ao aumento na oferta de crédito ao bom desempenho dos bancos. Foram analisados 23 setores da economia para elaboração do ranking.

"A oferta de crédito voltou a aumentar diante da queda da inadimplência, puxando o lucro dos bancos”, avaliou o vice-presidente do conselho de administração do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças, Keyler Carvalho Rocha.

Os setores de Petróleo e Gás, Mineração, Energia Elétrica e Telecomunicações também tiveram altas taxas de lucro. As teles analisadas em conjunto saíram de prejuízo em R$ 454 milhões para lucro de R$ 2,5 bilhões, comparação entre os segundos trimestres.

POR MICHEL ALECRIM

Fonte: O Dia

até breve

Anatel prorroga consulta pública sobre qualidade na banda larga móvel


A Anatel prorrogou o prazo para a entrega de sugestões à consulta pública 27, que trata da qualidade do serviço na banda larga móvel. A agência atendeu pedidos da Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor do Paraná (Procon/PR) e do Comitê de Defesa dos Usuários de Serviços de Telecomunicações (Cdust).

Agora, as contribuições da sociedade para a consulta pública para a regulamento de Gestão da Qualidade das Prestadoras de Serviço Móvel Pessoal, podem ser encaminhadas até o dia 15 de setembro. O regulamento prevê, entre outras, que as teles devem garantir o valor máximo contratado pelo assinante na banda larga móvel em 30%, tão logo o regulamento entre em vigor. Hoje, esse índice não passa de 10%.

A decisão de prorrogar a consulta pública 27 está publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira, 24/08. A proposta do Regulamento de Gestão da Qualidade das Prestadoras do Serviço Móvel Pessoal (RGQ-SMP), objeto da Consulta Pública nº 27, contempla a revisão do Plano Geral de Metas de Qualidade (PGMQ-SMP), aprovado pela Resolução 317, e do Regulamento de Indicadores de Qualidade (RIQ-SMP), aprovado pela Resolução 335, sugere que:

A relação entre o número total de reclamações recebidas na Anatel, em desfavor da prestadora, e o número total de reclamações recebidas em todos os canais de atendimento da prestadora, no mês, não deve ser superior a dois por cento. Os dados de reclamações recebidas pela Agência serão obtidos do sistema de Suporte do Atendimento ao Usuário (Focus) da Anatel ou outro que venha a substituí-lo, ou a critério da Agência, poderão ser obtidos do Sistema Nacional de Informações de Defesa do Consumidor do (Sindec) do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC) do Ministério da Justiça;

Adoção do Índice de Desempenho no Atendimento (IDA), para compor o rol de indicadores de aferição da qualidade do SMP;

Todas as tentativas de envio de mensagens devem resultar em entrega ao usuário final em até 60 segundos no mínimo em 95% dos casos;

As tentativas de conexão à banda larga utilizando a rede do SMP devem ser estabelecidas em 98% dos casos, no mês;

A taxa de queda do acesso a banda larga utilizando a rede do SMP da prestadora deve ser inferior a 5%, no mês;

Em horários de maior uso, a prestadora deve garantir uma velocidade de conexão à banda larga, tanto no download quanto no upload, de, no mínimo:

30% do valor máximo previsto no Plano de Serviço do usuário, a partir da entrada em vigor deste Regulamento;

50% do valor máximo previsto no Plano de Serviço do usuário, a partir de 12 meses da entrada em vigor deste Regulamento.

Nos demais horários, a prestadora deve garantir uma velocidade de conexão à banda larga de, no mínimo:

50% do valor máximo previsto no Plano de Serviço do usuário, a partir da entrada em vigor deste Regulamento;

70% do valor máximo previsto no Plano de Serviço do usuário, a partir de 12 meses da entrada em vigor deste Regulamento.

Adoção da Pesquisa de Qualidade Percebida (QPE) junto aos usuários do SMP, mediante a utilização de questionários específicos.

Fonte: Convergência Digital

até breve

Estou nascendo hoje na internet


Afinal, quem sou eu? Descobri que há vários jabores dando sopa na web. Uma vez, disse aqui que jamais entraria nos twitters da vida, nos orkuts do pedaço, nos facebooks das quebradas... Claro que dá pra ficar fora dessas "redes sociais", mas sinto-me isolado como aqueles caras que se recusam a ver televisão, para defender sua "individualidade". No entanto, que individualidade, que "eu" se manteria "puro" e protegido longe da TV ou fora da web hoje? Que "eu" sobraria? Não há um "eu" sozinho - esse sonho de pureza e originalidade acabou. O "eu" é feito de detritos de lembranças, de sonhos, de traumas, mas também é fabricado pelas coisas. A pílula fez mais pelo feminismo que mil livros de militância. A internet criou um "eu" que muda dia a dia como uma máquina que vai se modernizando, recebendo novas engrenagens. Em vez de aniversários, em breve, vamos comemorar aperfeiçoamentos: "Estou comemorando mais 8 gigabytes em minha alma!"

Aliás, acho bom que a internet acabe com as ilusões individualistas que sempre tivemos - de sermos puros e únicos. A verdade é que somos parte de um processo de mutação permanente, e não por "autoanálise", mas pelos avanços da tecnociência. Assim como a biotecnologia cria seres híbridos, somos cada vez mais híbridos... Somos de carne, osso, chips e tocados por milhões de "outros eus" em rede. Rimbaud escreveu: "O eu é um outro." E o grande Mario de Sá Carneiro, poeta português, melhor do que os uivos lamentosos de Fernando Pessoa, também escreveu:

"Eu não sou eu nem o outro/ sou qualquer coisa de intermédio/ pilar da ponte de tédio/ que vai de mim para o outro." Sujeito e objeto se confundem cada vez mais. Além disso, eu também achava que a cultura humana era uma galáxia infinita de pensamentos e obras. O Google acabou com este sonho infinito. Tudo se arquiva, se ordena. O futuro, como um lugar a que chegaríamos um dia, também morreu. Só há um presente incessante, um futuro minuto a minuto, e não temos ideia de onde chegaremos, porque não há onde chegar...

Bem, amigos, todo este "showzinho" de reflexões individualistas é, na verdade, para comunicar que estou entrando no twitter. Resolvi. "Não quero mais ser eterno, quero ser moderno." Eu, que até pouco tempo só ia até o micro-ondas (que sempre me puniu com apitinhos da porta aberta), eu, que tremo diante de um celular, mudei muito. Saibam que comprei um iPhone e que vou postar coisas no twitter, que se chamará "realjabor". O nome será este porque já existe no twitter um cara que usa meu nome... Existe um "jabor" imaginário com, pasmem, 121.000 seguidores... Não o digo por gabar-me, mas há um jabor com milhares de amigos que não conheço. E aí me pergunto: quem sou eu? E esse cara no twitter - com 121 mil seguidores enganados - por que botou meu nome? Não é por inveja, nem tietagem... Ele parece ser um bom sujeito pelas coisas que fala por mim; não há insultos nem frases que possam me incriminar com meus "seguidores"... (se bem que ele "posta" também bobagens apócrifas que rolam na web, que me matam de vergonha). E ele? Quem será? Será que ele ama alguém? Quem lhe mandará flores se ele morrer de amores? Por que time ele torce? Como é seu rosto? Vejam meu drama: eu, que não existo, acho boa-praça um cara que não sei quem é... Por que ele não se assume? Eu estava nesta dúvida, quando se fez a luz e entendi: tanto faz ele ser ele ou ser eu. Esta terceira pessoa, meio eu, meio ele, existe no espaço virtual e assim não importa o nome, pois, como disse acima, sujeito e objeto se confundem. Ser eu ou ele é um detalhe desprezível.

Aliás, suponho que esses milhares de seguidores sejam ao menos meus amigos... E aí me ocorre a pergunta: o que é um amigo hoje? Como posso ser amigo de pessoas que nunca vi? Antes, amigos tomavam chope com a gente, davam conselhos, faziam confidências: "Pô, cara, minha mulher me traiu... que que eu faço?" Era assim. Hoje, os amigos você não vê, não toca; os amigos são algoritmos.


As redes sociais estão mudando o conceito de amizade, de amor... A pior forma de solidão talvez seja o sexo virtual, a masturbação a longa distância... Nada mais triste que o post-coitum na internet: gozos, escape e "log off" com os orgasmos se esvaindo na velocidade da luz e a realidade manchando o papel higiênico e as mãos pecadoras.

Assim aprendemos que temos de celebrar as parcialidades; só o fortuito é gozoso. Temos de parar de sofrer por uma plenitude que não chega nunca.

Aceitar a "incompletude" talvez seja a nova forma de felicidade. E isso é bom. A web nos mostra que enquanto sonharmos com a plenitude, seremos infelizes. Nunca seremos acompanhados nem totalmente amados. As redes nos trazem uma desilusão fecunda. As redes sociais unem os homens em uma grande solidão.

Outra coisa que me intriga: dizer o que nos tweets? O que é importante? Antigamente se dizia: este filme é importante, este texto é importante... Mas, hoje, para quê? As revoluções clássicas já não existem, a ideia de reunir objetos para um museu do futuro já era. Não há mais algo a ser preservado para amanhã. A importância do futuro foi substituída pelas "conexões" no presente.

A própria ideia de "profundidade" ficou estranha... O que é profundo? Hegel ou o frisson de informar a 121 mil pessoas que acordei com dor de cabeça ou que detestei A Origem?... As irrelevâncias em rede ganham uma densidade horizontal, uma superficialidade útil, ao invés de uma grandeza definitiva. Quantidade é qualidade, hoje.

Mas, é óbvio que há uma grande vitória para a democracia nas redes sociais. Há pouco, o massacre de dissidentes no Irã escapou pela internet. As redes denunciam crimes, alavancam negócios, expandem a educação política.

Por isso, resolvi nascer. Estou nascendo hoje na web. Meus primeiro gemidos de recém-nascido começam hoje. Chamo-me agora www.twitter.com/realjabor e vou competir com o outro jabor, o falso, que me criou sem me consultar.

Por Arnaldo Jabor

Fonte: Estadão

até breve

Beber água antes de refeição pode ajudar a perder peso, diz estudo


Pesquisadores americanos fizeram testes com pessoas entre 55 e 75 anos.

Uma pesquisa feita por cientistas dos Estados Unidos afirma que beber água antes das refeições ajuda as pessoas a perderem peso.

Cientistas do Estado americano da Virgínia afirmam que pessoas que estão em dieta podem perder cerca de 2kg a mais se elas beberem pelo menos dois ou três copos por dia antes das refeições.

A pesquisa foi apresentada em um congresso nacional da Sociedade Americana de Química, em Boston.

Todos os adultos que participaram da pesquisa tinham entre 55 e 75 anos de idade. A teoria dos cientistas foi testada em 48 adultos, divididos em dois grupos, ao longo de 12 semanas.

Ambos os grupos seguiram dietas de baixa caloria, mas um deles bebeu água antes das refeições.

Ao longo de 12 semanas, as pessoas que beberam água perderam cerca de 7kg, enquanto os demais perderam em média 5kg.

Um estudo anterior já havia mostrado que pessoas que bebem até dois copos de água antes de cada refeição ingerem de 75 a 90 calorias a menos.

Calorias

Uma das autoras da pesquisa, Brenda Davy, da universidade Virginia Tech, acredita que o fato de se encher o estômago com um líquido sem calorias antes das refeições faz com que menos calorias sejam consumidas.

"As pessoas deveriam beber mais água e menos bebidas adocicadas e com muita caloria. É uma forma simples de se facilitar o controle do peso", afirma Davy.

Segundo a cientista, bebidas dietéticas e com adoçantes artificiais também podem ajudar as pessoas a reduzir o consumo de calorias, ajudando a perder peso.

No entanto, ela disse que bebidas com muito açúcar precisam ser evitadas. Uma lata de refrigerante comum contém, em média, 10 colheres de chá de açúcar.

A pesquisa foi financiada pela entidade Institute for Public Health and Water Research, que realiza estudos sobre água e saúde pública. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Fonte: Estadão

até breve

Pelo programa, governo paga faculdade e estudante quita depois de formado.

Pelo programa, governo paga faculdade e estudante quita depois de formado.
Usuários alegam que acesso ao crédito está difícil.

As faculdades particulares no Brasil têm quase três vezes mais alunos do que as públicas, segundo o Ministério da Educação. São 4,2 milhões de alunos nas particulares contra 1,5 milhão nas públicas.

Nas particulares uma parte dos estudantes recebe financiamento do governo federal para pagar as mensalidades. No entanto, muitos alunos têm reclamado da demora para conseguir o benefício. O Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies) existe desde 1999. O governo paga a faculdade particular e o estudante quita a dívida depois, já formado.

Este ano a procura aumentou já que as condições estão mais facilitadas. Os juros diminuíram para 3,4% ao ano e o valor do financiamento aumentou para até 100% do valor da mensalidade. Mas estudantes de faculdades particulares reclamam que o acesso ao crédito está difícil.

A secretária Larissa Costa, de 19 anos, foi aprovada para o curso de psicologia, mas seu salário é menor que a mensalidade do curso. “Eu entreguei os documentos na faculdade, mas até agora não recebi a declaração de regularidade da inscrição”, diz.


O estudante de informática Felipe Ferreira culpa a burocracia por não conseguir o financiamento. “Eu perdi mais ou menos quatro dias indo ao banco.”

O Ministério da Educação nega que haja atrasos na liberação dos financiamentos e informa que só este ano já foram feitos 44 mil novos contratos.

O Sindicato das Faculdades Particulares de São Paulo afirma que mais de 60% das entidades do país enfrentam problemas com o Fies.

“A questão está mais relacionada com a falta de agilidade desse sistema que ainda não está totalmente redondo em termos de cruzamento de informações com as instituições”, afirma Gilberto Couto, do Sindicato das Entidades de Ensino Superior do Rio de Janeiro.

A Caixa Econômica Federal, que libera o financiamento aos estudantes, informou que não há atraso no processo.



Fonte: G1

até breve

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Esclarecimento sobre vacinação antirrábica em animais


O Ministério da Saúde esclarece que a campanha de vacinação antirrábica animal deve ser mantida em todo o território nacional. Não há evidências, até o momento, que os eventos adversos apresentados justifiquem a interrupção da campanha, pois os mesmos estão abaixo do relatado na literatura internacional e do produtor.

A não vacinação de animais contra raiva representa um risco para a vida da população, pois podem gerar a ocorrência de casos humanos, que possuem taxa de letalidade próxima de 100%.

Das informações disponíveis, houve comunicação ao Ministério da Saúde de ocorrência de nove eventos graves (oito mortes); na região metropolitana do Estado do Rio de Janeiro (2 casos) e nos municípios de São Paulo/SP (4 casos) e Guarulhos/SP (3 casos), em um total de 309.031 animais vacinados (cães e gatos), correspondendo a uma taxa de 0,0029%. Outros seis estados que também utilizam o mesmo lote da vacina, bem como outros municípios do Rio de Janeiro e São Paulo, não relataram eventos adversos graves até o momento. Cabe destacar, ainda, que outros 4 estados que receberam a mesma vacina também não relataram ocorrência de eventos graves.

Esses eventos estão abaixo da taxa esperada produtor (0,01%) e pela literatura internacional (em estudo realizado com total de doses aplicadas em clinicas privadas nos Estados Unidos em 2002 e 2003 se evidenciou uma taxa de eventos graves de 0,445%) e podem estar associados a resposta individual de cada animal, condições de armazenamento e aplicação do produto, tais como: hipersensibilidade do animal a compostos da vacina, local de conservação, manejo do animal no momento da aplicação, doenças concomitantes, idade, número de doses aplicadas, tipo de agulha e seringa, via de administração.

A vacina antirrábica utilizada atualmente é produzida em cultivo de células, cuja resposta imunológica é de um ano. A vacina anterior assegurava uma proteção entre seis e sete meses. A vacina de cultivo celular é a recomendada atualmente pela OMS (Organização Mundial da Saúde) e utilizada em diversos países.

Desde 2003, o laboratório produtor tem registro e licença no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e comercializa o produto no país na rede privada de clinicas veterinárias.

As vacinas antirrábica caninas disponibilizadas no Sistema Único de Saúde são submetidas pelo laboratório produtor a todas as provas de controle de acordo com as normas e exigências do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Além disso, são reavaliadas pelo laboratório oficial de controle de qualidade do Ministério da Agricultura.

O Ministério da Saúde e o Ministério da Agricultura estão em constante monitoramento dos eventos adversos graves decorrentes da vacina e tomarão as medidas cabíveis caso seja necessário.

Fonte: Portal da Saúde

até breve

Linguagem de internet preocupa educadores


Escolas buscam estratégias para atrair a atenção dos alunos para escrita e literatura.

Alunos usam a biblioteca no Colégio Batista Brasileiro, que possui programas para estimular o interesse pela leitura.

Em uma certa comunidade virtual de adolescentes, abundam erros de ortografia - como "resolvel", "intão" e "considerá" - e gramática - "ia matar ela". Mesmo curtos, os textos claramente não são revisados; por toda a parte há letras dobradas e falta espaçamento entre as palavras.

Não se pode negar que o objetivo da troca de mensagens às vezes seja instrutivo: no caso citado, a intenção era inventar uma história coletiva, com cada dezena de palavras escrita por um novo autor. Mas entre os seguidos tropeços no português, até o enredo acabou comprometido. Em certas horas, personagens que não estavam na cena aparecem sem explicação, participando dos diálogos.

Para muitos, a internet desponta como vilã dessa narrativa de horror. Especialistas, porém, defendem a rede - ela seria, no máximo, "cúmplice do crime" - e dizem que o problema é bem mais profundo.

"A internet tem mais pontos positivos que negativos; é uma nova forma, muito rápida, de acesso a conhecimento", diz Maria Teresa de Freitas, professora da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e autora do livro Leitura e Escrita de Adolescentes na Internet e na Escola. "O negativo é o uso exagerado, em detrimento de outras atividades, e quando se aceita tudo como válido, sem visão crítica."

O mundo virtual não está, portanto, na raiz dos problemas dos jovens com a língua portuguesa. "Pesquisas comprovam que o jovem conectado passa mais tempo lendo e escrevendo. Claro que, em sites de relacionamento, a linguagem é abreviada, mais rápida", afirma Teresa. "Mas essa leitura rápida leva a outras leituras. Ele vai lendo mais e tendo mais acesso ao próprio livro." O que faltaria, segundo a professora, seria uma boa orientação de como usar a internet por parte das escolas.

Nas escolas, professores e coordenadores têm de lutar para atrair o interesse dos alunos desde pequenos para atividades além da internet. Em especial, atividades que, diferentemente da realidade das múltiplas janelas, desenvolvam a concentração e a reflexão.

"Os jovens desenvolveram uma linguagem que é deles, muito ágil, que serve de identidade de grupo. A gente respeita isso, mas trabalha a necessidade de usar uma linguagem mais formal. Afinal, ele tem de se comunicar com todos, não só com seus pares", explica Maria Martinez, diretora pedagógica do Colégio Batista Brasileiro, escola paulistana com melhor nota na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

A diretora atribuiu o bom desempenho dos alunos na redação a uma série de programas que começam na pré-escola. Os pequenos têm a Hora do Conto e a Roda da Conversa, quando aprendem a ouvir. Mais tarde, eles são estimulados a jogar jogos de tabuleiro, que, segundo Maria, promovem a "concentração, o foco e o refletir estratégias". E, todos os anos, o aluno que mais tira livros na biblioteca é premiado.

"Na nossa sociedade, a praticidade ganhou sobre a concentração. Mas não é só na internet, é na vida como um todo. A comida, por exemplo, é fast food", diz a diretora. "De certa forma, a escola vai na contramão disso."

A consultora de português da escola Albert Sabin, Denise Maiolino, concorda que a escola tem outro ritmo, diferente do que o adolescente está acostumado. "Ele tem a atenção difusa, mas não é só pela internet. Assiste à TV, ouve música, tira foto, tudo ao mesmo tempo."

A professora reconhece que a internet pode ser uma "ferramenta brilhante" em sala de aula, mas também alerta para seus perigos. "Em determinados contextos, o jovem pode se tornar um reprodutor de textos; dá um "recorta e cola" sem pensar sobre aquilo." Para ela, o ideal é que o aluno transite bem pela internet e sua linguagem própria, mas que também tenha acesso a uma cultura mais profunda.

"O trabalho deve começar com a criança ainda pequena, estimulando a leitura de livros", recomenda. Foi assim, desde novo, que o estudante Rodrigo Gutierrez, de 17 anos, criou o hábito de ler e aprendeu a usar diferentes formas de comunicação em diferentes situações.

Aluno do 3.º ano do ensino médio do Albert Sabin, Rodrigo passa cerca de uma hora por dia na internet, em geral em sites de relacionamento e conversas com amigos, mas nem por isso tem dificuldades de interpretação de texto ou redação. "Também leio bastante notícias, mas a atenção na internet fica dispersa. Leio um pedaço, converso um pouco", relata.

"Mas, na hora de ficar concentrado para ler - adoro literatura -, não tenho problemas", diz o estudante.

PRESTE ATENÇÃO

1. Diversidade. A internet tem muito mais recursos que bate-papo e redes sociais. Aproveite para estudar, ler notícias, artigos acadêmicos, baixar livros.

2. Confiabilidade. Na rede, qualquer um escreve o que quiser. Desconfie, investigue e procure outras fontes.

3. Exagero. Não deixe de ler um livro, conversar pessoalmente, ter atividades físicas para ficar online.

4. Zelo. Ao escrever na internet, você pode ter muitos leitores - mais do que na redação da escola. Por isso, capriche no texto.

Por Luciana Alvarez - O Estado de S.Paulo

Fonte: Estadão

até breve

Circuito Cultural SESI Apresenta "Garotos"



Amor, sexo, amizade, música, saudade, morte e vida... Muita vida! Emoções que surgem inesperadamente a partir da adolescência e, claro, os conseqüentes dilemas de como lidar com elas.

Contado sempre na primeira pessoa do singular, o espetáculo atinge todas as idades já que, acima de tudo, trata das relações humanas e do amor à vida. A peça fez sua estréia, em novembro de 2009, para um público de mais de 1.500 pessoas, na FITA (Festa Internacional de Teatro de Angra dos Reis), um dos mais prestigiados festivais do teatro nacional, e agora excursiona pelo Brasil.

Música ao vivo, um elenco de jovens e talentosos artistas que se dividem entre diversos personagens e ainda cantam, dançam e se revezam nos instrumentos para contar uma história que com certeza vai fazer os mais jovens se identificarem e os mais velhos recordarem momentos inesquecíveis de sua juventude.

Dia: 27/08/2010 (Sexta - Feira)
Horário: 20 horas
Local: Teatro SESI Campos
Capacidade Limitada: 200 espectadores
Ingressos: R$ 15,00(inteira)
R$7,50 (Meia: Estudantes – idosos e sócios)


até breve

Fiscalização da cadeirinha começa dia 1º de setembro


Começa no próximo dia 1 de setembro a fiscalização das novas regras para o transporte de crianças de até sete anos e meio, que deverão ser levadas obrigatoriamente no banco traseiro utilizando o dispositivo de retenção.

Segundo a norma, as crianças de até um ano de idade deverão usar o equipamento denominado conversível ou bebê conforto, crianças entre 1 e 4 anos em cadeirinhas e de 4 a 7 anos e meio em assentos de elevação. De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro, as crianças com até dez anos devem ser acomodadas no banco traseiro.

Quem descumprir as normas referentes ao transporte de criança está sujeito a penalidade prevista no artigo 168 do Código de Trânsito Brasileiro, que considera a infração gravíssima e prevê multa de R$ 191,54, sete pontos na Carteira Nacional de Habilitação e a retenção do veículo até que a irregularidade seja sanada.

Transporte escolar

O uso das cadeirinhas para vans escolares não entrará em vigor no mesmo dia em que as novas regras começam a valer para os carros de passeio, segundo o Conselho Nacional de Trânsito (Contran). De acordo com a assessoria do órgão, a lei da obrigatoriedade das cadeirinhas em transporte escolar ainda não existe. Um estudo para a regulamentação do uso das cadeirinhas está em andamento e não há previsão para a finalização. Esses veículos ainda não serão multados.

Fonte: Jornal da Tarde

até breve

Uma nova legião de candidatos cômicos

O início do horário eleitoral traz candidatos como Tiririca, que usa o lema "pior que está não fica".
– Alô, Tiririca? Aqui é o Victor.
– Oi, aqui é o Léo.
– Léo?
– Victor e Léo (uma dupla sertaneja). Hahaha. É o Tiririca, pô.

É com esse tipo de humor que Francisco Everardo Oliveira Silva, o cantor cearense Tiririca, trabalha por uma vaga de deputado federal por São Paulo. Na semana passada, na estreia do horário eleitoral na TV, ele chamou a atenção pelo tom debochado.

“Você sabe o que faz um deputado federal? Eu não sei, mas vote em mim que eu te conto”, diz. Outro de seus bordões é “Vote no Tiririca, pior que tá não fica”. Com eles, o candidato do Partido da República (PR) ficou falado e recebeu 500 mil visitas no YouTube. Tiririca tornou-se conhecido nos anos 1990 com o disco Florentina, que vendeu 1,5 milhão de cópias. Também atuou em programas humorísticos e respondeu processo por racismo por causa de uma música que falava “essa negra fede” e “bicha fedorenta”. Absolvido, quer ir ao Congresso. Embora não defenda nenhuma proposta. “De cabeça, assim, é complicado pra mim falar (sic).” Num vídeo, diz que vai ser deputado para ajudar os mais necessitados, “inclusive a minha família”. Se pudesse, empregaria parentes? “Com certeza. Primeiramente a minha família”, afirma. Tiririca declarou patrimônio zero, mas sua estimativa de gasto na campanha é de R$ 3,5 milhões.

Em 1958, um rinoceronte do zoológico de São Paulo chamado Cacareco recebeu 100 mil votos para vereador. De lá para cá, ele vem dando nome a uma categoria de candidatos na política brasileira. Além de Tiririca, há outros Cacarecos nesta eleição. São famosos ou anônimos dispostos a qualquer coisa para se destacar na multidão. Muitos deles apelam para o humor e para o comportamento jocoso – embora os verdadeiros humoristas, por decisão da Justiça Eleitoral, estejam proibidos de fazer piadas com os candidatos. O cientista político Fábio Wanderley Reis diz que, “até certo ponto”, é natural que partidos convoquem personagens desse naipe para a disputa. Eles atraem votos para a legenda e garantem ao partido uma bancada maior na Câmara. “É um jeito espúrio de obter quadros”, afirma.

‘‘Quero recomendar a Mulher Pêra para o Congresso Nacional’’
EDUARDO SUPLICY, senador (PT-SP).

A banalização do processo eleitoral está enraizada no meio político brasileiro – e conta com suporte mesmo de gente conhecida. A modelo Suellem Aline Mendes Silva, que se apresenta na TV como Mulher Pêra (PTN), ganhou a chancela do senador Eduardo Suplicy (PT-SP), que pede votos para a decotada no YouTube. “Quero recomendar a Mulher Pêra”, diz ele. “É muito importante que possamos ter essa mulher como candidata eleita para o Congresso.” Sério, senador?

No Rio de Janeiro, o ex-jogador Romário concorre a uma vaga de deputado federal e apelou para o corpão. Anda cercado por um grupo de mulatas fornidas que distribuem santinhos com um argumento inusitado: “Vote no Romário porque ele já é rico e não vai roubar”. Pedro Manso, imitador que fez sucesso se apresentando como Faustão, tenta uma vaguinha na Assembleia vestido e falando como... Faustão. “Ô-loco, meu! Pedro Manso para deputado!”. Na linha funk-favela concorre Tati Quebra Barraco, autora do hit “Dako é bom”, que fala numa marca de fogão. Os famosos tentam se eleger apoiados no argumento da fama. O ex-pugilista Maguila diz que vai “lutar em Brasília”. O ex-jogador de futebol Marcelinho Carioca quer “jogar no time” dos eleitores. Raul Gil tira o chapéu para seu filho, candidato a deputado federal. Os irmãos do grupo KLB defendem “a união da família”. O que promete o estilista Ronaldo Esper? “Agulhar os políticos”...

Fábio Wanderley diz que não é necessário deixar a política apenas aos políticos. Muitos brasileiros já fizeram carreira pública depois de outra profissão. Fernando Henrique Cardoso era professor. Lula, um famoso metalúrgico.“É legítimo que um humorista ou uma modelo se candidatem”, diz ele. “O problema é o discurso infantilizado.”
“FAUNA”
Alguns dos famosos que tentam usar a fama como trampolim eleitoral. O estilo está enraizado e é bem-aceito entre os políticos tradicionais.

Fonte: Época

até breve

Fichas-sujas invadem a corrida eleitoral


Em todo o País, candidatos que respondem a processos e até alguns já condenados saem em busca de votos, apesar da Lei da Ficha Limpa.

Candidatos com ficha policial ou cassados pela Justiça Eleitoral afrontam a Lei da Ficha Limpa e fazem campanha, confiantes de que serão eleitos. Há casos emblemáticos em vários Estados envolvendo nomes notórios, como ex-governadores, um dirigente de futebol e até um bicheiro.

No Rio de Janeiro, o ex-presidente do Vasco e ex-deputado federal Eurico Miranda (PP) tenta voltar à Câmara dos Deputados apresentando-se como "candidato ficha limpa". Ele é réu de processos em varas criminais da Justiça Federal, alvo de inquéritos em andamento e um dos denunciados pela CPI do Futebol do Senado, finalizada em 2001.

Eurico nunca foi condenado em decisões colegiadas - o que o deixa de fora das inelegibilidades previstas pela Lei da Ficha Limpa. "Sou ficha limpíssima", afirma o dirigente esportivo. "Foi justamente essa lei que me motivou a fazer campanha".

Na semana passada, o TRE do Rio deferiu a candidatura de Eurico. Ele apresentou 15 certidões criminais negando condenação. Em 2007, ele foi condenado a 10 anos de prisão por crimes tributários pela 4ª Vara Federal Criminal do Rio. O STJ, porém, anulou a sentença. Duas ações tramitam em varas federais e um inquérito na Justiça estadual.

"São questões que envolvem recolhimento de INSS. Esse não é mais um problema meu. É problema do Vasco", alegou Eurico.

Em Alagoas, o ex-governador Ronaldo Lessa, cujo pedido de candidatura ao governo pelo PDT foi impugnado pelo TRE, foi orientado pelo advogado a ignorar a decisão da Justiça e continuar em campanha.

Para Lessa, a decisão do TRE-AL foi política e será revertida pelo TSE. Ele não se considera um ficha-suja, apesar de condenado por um colegiado, acusado de abuso de poder político e eleitoral, nas eleições de 2004.

"Os verdadeiros bandidos permanecem impunes, enquanto eu estou sendo punido por ter dado aumento aos servidores da Educação", afirma.

Cassado pelo TSE por corrupção eleitoral em fevereiro do ano passado e barrado pelo TRE da Paraíba com base na Lei da Ficha Limpa, o ex-governador Cássio Cunha Lima está em plena campanha para o Senado pelo PSDB.

Ele aguarda que o TSE julgue recurso contra decisão do TRE que manteve a impugnação de sua candidatura. No programa eleitoral, se apresenta como "injustiçado" que acatou a decisão da Justiça. Nas primeiras aparições, disse que já foi punido e não vai desistir da candidatura ao Senado.

Bicho. José Carlos Gratz, preso em 1989 pela Polícia Federal acusado de comandar o jogo do bicho em Vitória, foi uma espécie de governador às avessas, exercendo enorme poder na vida política e econômica do Espírito Santo. Do cargo de presidente da Assembleia Legislativa, controlava o Poder Executivo.

Durante pelo menos duas administrações, o governador que não rezasse a cartilha dele não conseguia apoio do parlamento.

Em 2002, acusado pelo Ministério Público Estadual do desvio de R$ 26,7 milhões do Legislativo, teve o mandato cassado. Foi preso outras duas vezes, e ainda responde em liberdade a cerca de 150 ações judiciais.

Mesmo com um currículo desses, encontrou abrigo no nanico PSL e arquitetou a volta à vida pública, na disputa pelo cargo de senador. Foi o primeiro político do país a questionar a constitucionalidade da Lei da Ficha Limpa no STF, com duas ações com pedido de liminar, nas quais busca sustentar a candidatura.

O TSE vai julgar uma das ações, e a outra teve o pedido negado pelo ministro do STF Carlos Ayres Britto.

Dos candidatos impugnados pela Procuradoria Eleitoral do Maranhão, enquadrados na Lei da Ficha Limpa, todos aparecem na TV e no rádio fazendo campanha normalmente, como Jackson Lago (PDT), Sarney Filho (PV), Cléber Verde (PRB) e Márcia Marinho (PMDB). / ALFREDO JUNQUEIRA, WILSON LIMA, RICARDO RODRIGUES, ADELSON BARBOSA DOS SANTOS e ALEXSANDER PANDINI.

Fonte: Estadão

até breve